• Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos
    • *

       Serviço Geológico do Paraná

    Ações

    Aqui você encontra os últimos termos que foram incluídos em nosso glossário. Para ler mais, consulte o índice.

    A :  B :  C :  D :  E :  F :  G :  H :  I :  J :  K :  L :  M :  N :  O :  P :  Q :  R :  S :  T :  U :  V :  W :  X :  Z : 

    Glossário de termos geológicos

    B (Pedologia)
    Horizonte da máxima iluviação do solo, formado sob um horizonte E, A ou O, bastante afetado por transformações pedogenéticas, em que pouco ou nada restou da estrutura original da rocha.

    BACIA
    Uma grande área com depressão central para a qual se orienta a drenagem adjacente.

    BACIA CONTRIBUINTE
    Água que fica à montante de um local considerado e que contribui para alimentar o curso d’água.

    BACIA DE DRENAGEM
    Área abrangida por um rio ou por um sistema fluvial composto por um curso principal e seus tributários.

    BACIA DE RECARGA
    Área compreendendo na maioria das vezes a zona de alimentação direta do aqüífero e as zonas marginais, de onde podem provir as águas superficiais que vão atingir a zona de alimentação direta.

    BACIA DE SUBSIDÊNCIA
    Depressão superficial rasa, em forma de bacia, resultante de subsidência.

    BACIA HIDROGRÁFICA
    a) Superfície limitada por divisores de água que são drenados por um curso d’água, como um rio e seus tributários, às vezes formando um lago. b) Área contribuinte, normalmente expressa em Km2. O mesmo que bacia de drenagem.

    BACIA MARGINAL
    Bacia do tipo mar epicontinental, adjacente a um continente, sendo que seu fundo é constituído de massa continental submersa.

    BACIA OCEÂNICA
    Bacia tectonicamente estável, formada essencialmente por basaltos e coberta por uma fina camada de sedimentos pelágicos.

    BACIA SEDIMENTAR
    (1) Área deprimida da crosta terrestre, de origem tectônica, na qual acumularam-se sedimentos; (2) Área na qual acumularam-se sedimentos em espessura consideravelmente maior que nas regiões adjacentes; (3) entidade geológica que se refere ao conjunto de rochas sedimentares que guardam relação geométrica e/ou histórica mútua, cuja superfície hoje não necessariamente se comporta como uma bacia de sedimentação. Sua origem está ligada à cinemática da tectônica de placas. A maioria das bacias são formadas em regime extensional ou compressional. As bacias marginais e as transtensionais são do tipo extensional, enquanto o contexto compressional inclue as bacias foreland e as transpressionais. Existe ainda as bacias intracratônicas cuja origem é controvertida. (I: Sedimentary Basin. bacia pull-apart) (sins.: Gráben Rômbico, Bacia Transtensional).

    BACKGROUND
    Termo utilizado em geoquímica e geofísica para relacionar um valor, teor ou porcentagem mineral, ou ainda uma propriedade física (radiométrica, magnetométrica etc.) a um padrão regional para efeito de comparação. Os valores podem ser apresentados sob a forma de ppm, ppb, cps etc.

    BACTÉRIAS
    Microrganismos unicelulares procariotas, pertencente ao Reino Monera, geralmente sem clorofila, e que utiliza alimentos solúveis, normalmente orgânicos, apesar de algumas bactérias serem quimiossintetizantes, e outras fotossintetizantes. Apresentam ampla distribuição na natureza, sendo que algumas bactérias formam esporos resistentes, que podem ficar inativos em condições desfavoráveis do meio ambiente, e serem reativadas com o retorno de condições mais favoráveis.

    BADLAND
    Terreno geralmente desprovido de vegetação e entrecortado por um intrincado padrão de ravinas estreitas, cristas agudas e pináculos, resultados de uma erosão severa em materiais não muito resistentes.

    BAÍA
    Porção do oceano, mar ou lago que adentra pelo continente, caracterizando-se por apresentar uma linha de costa com a concavidade voltada para o exterior. Pode ser do tipo aberta ou fechada.

    BAIXA-MAR
    Elevação mínima alcançada por cada maré vazante.

    BAIXADA
    Plaino extenso, normalmente situado na área litorânea pouco acima do nível das marés.

    BAIXADA DOS RIOS
    O mesmo que fundo-de-vale.

    BAIXIO
    Elevação do fundo submarino formada por material inconsolidado, geralmente arenoso, podendo contudo ser argiloso ou conchífero, e situado a menos de 20m de profundidade.

    BAIXO
    Segmentos(s) crustal(ais) tal(is) como bacias, sub-bacias, sinclinais e sinéclises, de movimentação mais acelerada em áreas subsidentes.

    BAJADA
    Área plana situada na porção terminal de um conjunto de pedimentos, na qual acumulam-se os sedimentos provenientes das partes mais elevadas. Pode comportar depressões do tipo playa.

    BALANCEAMENTO DE SEÇÃO GEOLÓGICA
    Técnica de restauração ao estado não deformado original de uma seção (corte:perfil) geológica. É aplicável a segmentos crustais que se supõe tenham sofrido compressão ou distensão sob regime de deformação plana. É imprescindível que a seção processada tenha a mesma escala vertical e horizontal, que suas áreas inicial e final sejam as mesmas e que, ao término do trabalho, não lhe resultem vazios e:ou superposições de camadas. Trata-se de uma técnica que visa, através da integração das partes segmentadas de camadas ou, ainda, de áreas entre camadas, avaliar a possibilidade geométrica de uma determinada interpretação estrutural. A rigor, o resultado do balanceamento não se constitui necessariamente em verdade geológica pretérita. I: Cross Section Balancing.

    BALANÇO ENERGÉTICO
    Estudo que compara a energia que entra (em um sistema) no começo de um processo com a energia que sai ao seu final, considerando, ao mesmo tempo, as diferentes transformações que sofre a energia ao longo do mesmo" (Diccionario de la Naturaleza, 1987).

    BALANÇO HÍDRICO
    Balanço das entradas e saídas de água no interior de uma região hidrológica bem definida (uma bacia hidrográfica, um lago), levando em conta as variações efetivas de acumulação" (DNAEE, 1976).

    BALDIO
    Denominação aplicada a um terreno ou campo não cultivado, abandonado e coberto por vegetação pobre.

    BALL CLAY
    Argila na qual predomina caulinita acompanhada de outros argilominerais como a ilita, a esmectita e a clorita, além de conter quantidades subordinadas de quartzo, plagioclásio, feldspato potássico e calcita. Apresenta elevada plasticidade, sendo por vezes refratária e comumente caracterizada pela associação com matéria orgânica e apresentando tonalidades que variam do levemente amarelado até matizes de cinza.

    BÁLSAMO
    Substância secretada por plantas, em que um dos ácidos em estado livre é o ácido benzóico.

    BANCADA
    Forma geométrica dos taludes nas escavações a céu aberto, com diferentes níveis, semelhante aos degraus de uma escada.

    BANCO DE GENES
    Base física onde o germoplasma (informação genética) vegetal ou animal é conservado. Geralmente são centros ou instituições públicas e privadas que conservam as coleções de germoplasma sob a forma de sementes, explantes, plantas a campo, sêmen, óvulos, embriões, rebanhos, etc. É também a área reservada para a conservação e a multiplicação de plantas, animais e outros seres vivos, a partir de uma reserva de sementes, de mudas, de tecidos, de embriões, de pequenas populações em cativeiro ou um laboratório onde se conservam os genes de diferentes plantas e animais. Informalmente, banco de genes e banco de germoplasma ( sin. Banco genético).

    BANDA DO VISÍVEL
    Faixa do espectro eletromagnético que pode ser percebido a olho nu, e compreendida aproximadamente entre 7800 e 4000 Angstrons, os limites do infravermelho e do ultravioleta, respectivamente.

    BANDA RIPÍCOLA
    Faixa de proteção marginal, de largura variável, criada ao redor de corpos d’água com o objetivo de protegê-los, reduzindo os efeitos nocivos da agricultura. Nesta faixa, a vegetação arbórea é protegida.

    BANDAMENTO
    Textura de rochas contendo bandas ou faixas delgadas e quase paralelas de diferentes minerais, texturas e cores.

    BANDAMENTO COMPOSICIONAL
    (Geologia) Foliação definida por faixas paralelas de composição mineralógica ou texturas diferentes. Pode corresponder a um acamamento relíquiar ou ser originado por segregação metamórfica, migmatização, cisalhamento e dissolução por pressão.

    BANHADO
    Denominação utilizada no sul do Brasil para indicar extensões de terras baixas inundadas pelos rios.

    BAR
    Unidade de pressão, igual à pressão atmosférica terrestre ao nível do mar; 1 bar = 0.987 atmosferas = 101,300 pascals = 14.5 libras:polegada quadrada = 100,000 Newtons por metro quadrado = 1 000 000 de dinas/cm².

    BARBEIRO
    Nome vulgar aplicado à vários insetos, vetores do Trypanosoma cruzi, que é o agente etiológico causador da Doença de Chagas.

    BARCANA
    Duna que apresenta forma de meia-lua, mostrando sua face convexa voltada para barlavento, e a face côncava para sotavento .

    BARITA
    Mineral que cristaliza no sistema ortorrômbico, classe bipiramidal e tem composição BaSO4, sendo que sua densidade de 4,5 é considerada elevada para um mineral não-metálico. Quando o estrôncio substitui ao bário o mineral passa a ser denominado celestina, quando o chumbo substitui ao bário, passa a ser chamado anglesita.

    BARLAVENTO
    Face de qualquer elemento voltada para o lado que sopra o vento.

    BARRA
    Acumulação de areia ou cascalho depositados sobre o leito de um rio, mar ou lago, pela ação de ondas e correntes, formando uma obstrução.

    BARRA DE CANAL
    Forma de leito de ocorrência não periódica, e que se desenvolve sob condições de profundidade rasa, nas quais pequenas mudanças no fluxo podem ser responsáveis por considerável variação na sua morfologia, pode ser longitudinal, transversal, em pontal e diagonal.

    BARRAGEM
    Barreira dotada de uma série de comportas ou outros mecanismos, construída transversalmente a um rio para controlar o nível das águas de montante, regular o escoamento ou derivar suas águas para canais, ou para geração de eletricidade. Pode ser de terra, enrocamento ou concreto. Sin.: represa.

    BARREIRA
    (1) Termo usado vulgarmente para as massas de solo resultantes de desmoronamentos, causando obstrução de rodovias, ferrovias, das vias de comunicação e acesso, etc. (2) (ing. barrier) Massa arenosa, disposta paralelamente à costa, e que permanece elevada acima da maré mais alta .(sin.: restinga) .

    BARRIL
    Unidade de volume equivalente a 158,98 litros.

    BARRILETE
    Parte da sonda destinada a recolher, proteger e recuperar o material a ser amostrado.

    BARRILHA
    Denominação aplicada ao carbonato de sódio (NaCO3) e que é utilizada no preparo de sabões, de vidros e no amolecimento de água dura.

    BASALTO
    Rocha vulcânica, básica, composta principalmente de plagioclásio cálcico e clinopiroxênio numa massa fundamental vítrea ou finamente granulada. A textura pode ser maciça, vesicular ou amigdalóide I: basalt.

    BASE DE MONO, MONTE OU MONTANHA
    Plano horizontal definido por planície ou superfície de lençol d’água adjacente ou nos relevos ondulados, pela cota da depressão mais baixa ao seu redor (Resolução CONAMA 004:85).

    BASE PLANIALTIMÉTRICA
    Carta topográfica onde são plotados os dados e informações que compõem os diversos mapas temáticos de uma área pesquisada.

    BASELAP
    Termo utilizado em sismoestratigrafia, referindo-se, genericamente, ao limite inferior de uma seqüência deposicional, quando este configura-se em terminação sucessiva de estratos contra uma superfície discordante basal.

    BÁSICA (ROCHA)
    Rocha ígnea cujo teor em sílica varia entre 45 a 52%. Os minerais máficos são predominantes na matriz.

    BATÓLITO
    Grande massa plutônica que apresenta uma exposição com mais de 100 km² e constituída por rochas com granulação média a grosseira e composição granítica, granodiorítica, e quartzo monzonítica. Quando inferior a 100 km² denomina-se stock e bossa quando circular.

    BAUXITA
    Mistura de hidróxidos de alumínio, tendo como constituintes principais a gibbsita - Al (OH3), a boehmita- AlO (OH)3 e o diásporo- AlO (OH)2- qualquer um deles podendo ser o dominante. É o mais importante minério de alumínio.

    BEDROCK
    Ocorrência de rocha em superfície ou em subsuperfície, mas coberta por material inconsolidado.

    BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO
    A concentração de minério ou de minerais úteis por remoção de materiais indesejáveis por vários processos como: gravitativo, magnético, flotação, precipitação química, etc.

    BENTÔNICOS
    Animais aquáticos que vivem junto ao substrato (fundo), podendo ser fixos (sedentários), ou apenas pousados (vágeis) e locomovendo-se de formas diversas.

    BERILO
    Mineral que cristaliza no sistema hexagonal, classe bipiramidaldihexagonal, de cor verde, algumas vezes amarelo ou verde azulado, de composição Be3Al2 (Si6O18), geralmente bem cristalizado e com hábito fortemente prismático. Ocorre principalmente em pegmatitos.

    BERMA
    Terraço formado acima do limite dos fluxos da maré alta .É construída principalmente durante as ressacas, sendo que quanto maior for a tempestade, mais alto e distinto se apresenta.

    BINÁRIO DE CISALHAMENTO
    Estado de tensões que se associa ao movimento relativo de blocos crustais em direção paralela ao plano de contato entre eles, deformando as rochas por cisalhamento simples. O binário deriva do movimento fundamental ao longo de zonas transcorrentes I: Shear Couple.

    BIODEGRADAÇÃO, BIODEGRADABILIDADE
    Decomposição por processos biológicos naturais. "Processo de decomposição química, como resultado da ação de microorganismos" (The World Bank, 1978). "Destruição ou mineralização de matéria orgânica natural ou sintética por microorganismos existentes no solo, na água ou em sistema de tratamento de água residuária" (ACIESP, 1980).

    BIODEGRADÁVEL
    Substância que pode ser decomposta por processos biológicos naturais. "Diz-se dos produtos suscetíveis de se decompor por microorganismos". "Um grande número de substâncias dispersas no meio ambiente são instáveis (...) Em muitos casos, os microorganismos - bactérias - edáficos ou aquáticos desempenham um papel ativo nessa decomposição; diz-se então que a substância é biodegradável".

    BIODIGESTOR
    Equipamento constituído por um tanque subterrâneo, na maioria das vezes destinado a recolher gás metano (também chamado biogás) produzido a partir de decomposição anaeróbica do lixo orgânico, produzindo ainda, uma carga de nutrientes agrícolas sob a forma de resíduos sólidos chamados biofertilizantes. Os biofertilizantes contém nitrogênio, fósforo e potássio dentre outros.

    BIODIVERSIDADE
    Total de genes, espécies e ecossistemas de uma região. A biodiversidade genética refere-se à variação dos genes dentro das espécies, cobrindo diferentes populações da mesma espécie ou a variação genética dentro de uma população. A diversidade de espécies refere-se à variedade de espécies existentes dentro de uma região. A diversidade de ecossistemas refere-se à variedade de ecossistemas de uma dada região. A diversidade cultural humana também pode ser considerada parte da biodiversidade, pois alguns atributos das culturas humanas representam soluções aos problemas de sobrevivência em determinadosambientes. A diversidade cultural manifesta-se pela diversidade de linguagem, crenças religiosas, práticas de manejo da terra, arte, música, estrutura social e seleção de cultivos agrícolas, dentre outros.

    BIOESTRATIGRAFIA
    Ramo da Estratigrafia voltado, primariamente, ao estudo da distribuição dos fósseis e das rochas que os contém, no espaço e no tempo.

    BIOGAS
    Gás produzido na fase de gaseificação do processo de digestão (degradação anaeróbia de matéria orgânica). O biogas contem de 65 a 70% de metano, 25 a 30% de monóxido carbônico e pequenas quantidades de oxigênio, nitrogênio, óxidos de carbono, hidrocarburetos e gás sulfídrico. O poder calorifico do biogas e de 5.700 a 6.200 Kcal:m3

    BIOINDICADOR
    Animal ou vegetal cuja presença em um determinado ambiente indica a existência de modificações de natureza biológica, física ou química. Alguns bioindicadores são bioacumuladores, pois denunciam a presença de substâncias tóxicas, acumulando-as.

    BIOLOGIA
    Ciência natural voltada ao estudo dos seres vivos, através da morfologia,da fisiologia, da ecologia e da sistemática, dentre outros. Inclui a botânica e a zoologia.

    BIOMA
    Conjunto de vida (vegetal e animal) definida pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, resultando em uma diversidade biológica própria.

    BIOMASSA
    É a quantidade de matéria orgânica presente a um dado momento numa determinada área e que pode ser expressa em peso, volume, área ou número.

    BIOMONITORAMENTO
    a) Vigilância contínua de um efluente de águas residuárias, através do emprego de organismos vivos, para controlar a qualidade dos despejos lançados num corpo receptor. b) Emprego de organismos vivos para controlar a qualidade de uma água receptora à jusante de uma descarga.

    BIOSFERA
    Região da Terra onde existe vida. Compreende a porção inferior da atmosfera, a hidrosfera e a porção superior da litosfera.

    BIOSSOMA
    Pacote de sedimentos que encerra fósseis documentários da persistência de vida de uma associação por um certo intervalo de tempo.

    BIOTA
    Conjunto de seres vivos que habitam um determinado ambiente ecológico em estreita correspondência com as características físicas, químicas e biológicas deste ambiente.

    BIÓTIPO
    Conjunto de fenótipos que apresentam o mesmo patrimônio genético. Comumente o termo é utilizado para referir-se à aparência geral do indivíduo.

    BIOTITA
    Mineral do grupo das micas (filossilicatos) que cristaliza no sistema monoclínico, classe prismática e fórmula K (Mg, Fe)3 (AlSiO3O10) (OH)2. Apresenta-se em cristais tabulares ou prismáticos curtos, com planos basais bem nítidos, sendo que as folhas delgadas mostram cor escura, diferindo da muscovita, que se apresenta quase incolor.

    BIÓTOPO
    Local onde habitualmente vive uma dada espécie da fauna ou da flora. É uma extensão mais ou menos bem delimitada da superfície, contendo recursos suficientes para assegurar a conservação da vida.

    BIOTURBAÇÃO
    Perturbação dos sedimentos devido à ação de organismos, que chegam por vezes a destruir completamente as estruturas sedimentares.

    BLASTOMILONITO
    Rocha milonítica em que a recuperação/recristalização/neomineralização, foi importante.

    BLENDA
    Mineral que cristaliza no sistema isométrico, classe hexatetraédrica, de composição ZnS, brilho resinoso a submetálico, sendo que suas formas mais comuns são o tetraedro, o dodecaedro e o cubo, podendo por vezes mostrar geminação polissintética. É o principal minério de zinco. (sin.: esfalerita).

    BLOCO
    Fragmento de rocha de grandes proporções, com diâmetro variando, na escala de Wentworth, 64 mm e 256 mm., ou grande pedra solta, ainda não inteiramente decomposta, formada pela decomposição do restante da rocha.

    BLOCO DE ENSAIO (CORPO DE PROVA)
    Amostra de material para ser submetida a ensaios mecânicos destinados à medição de suas propriedades, e possuindo a geometria adequada ao tipo de ensaio a ser realizado.

    BLOCO DE PEDRA
    Pedra angulosa obtida, geralmente, através de fragmentação artificial, e que apresenta dimensão superior a 10cm.

    BLOCO TECTÔNICO
    Entidade crustal limitada por falhas, total ou parcialmente; comporta-se unitariamente durante a atividade tectônica.

    BOCA-DE-LOBO
    Abertura localizada na sarjeta ou sob o meio-fio ou calçada, que tem a finalidade de captar as águas pluviais que escoarem pelas sarjetas para em seguida conduzi-las ao sistema de drenagem (ABNT).

    BOÇOROCA
    Designação dada no Brasil a uma escavação mais ou menos profunda, que ocorre geralmente em terreno arenoso, originada pela erosão. As boçorocas formam-se à custa da erosão superficial ou, mais freqüentemente, pela ação combinada da erosão superficial e da erosão subterrânea. A erosão superficial tem como ponto de partida estradas antigas, valetas, ou dá-se em pontos topográficos favoráveis. Por vezes, as boçorocas atingem profundidades de várias dezenas de metros e extensão de várias centenas de metros. (Sin.: Voçoroca).

    BOMBA
    (1) Dispositivo mecânico para deslocar, elevar ou recalcar água ou outros fluidos (ABID, 1978). (2) (geologia) Fragmento produzido por erupções vulcânicas de caráter explosivo com diâmetro superior a 32mm, e que se apresenta total ou parcialmente fundido. Quando compactado e cimentado é denominado aglomerado.

    BONANZA
    Denominação aplicada a um grande bolsão mineralizado presente dentro de um veio.

    BORDA DE TABULEIRO OU CHAPADA
    Locais onde tais formações topográficas terminam por declive abrupto, com inclinação superior a 100% (cem por cento) ou 45º (quarenta e cinco) graus. Fonte: Resolução CONAMA 004:85.

    BORNITA
    Mineral metálico que cristaliza no sistema isométrico, classe hexaoctaédrica e composição Cu5FeS4. Quando exposta ao ar embaça-se rapidamente, adquirindo cores purpúrea e azul, podendo chegar quase ao preto.

    BORRASCA
    Fenômeno atmosférico caracterizado por um aumento brusco e intenso da velocidade do vento, com duração de alguns minutos, diminuindo subitamente. Pode por vezes vir acompanhada de aguaceiros e trovoadas.

    BRAÇA
    Unidade de medida de comprimento que corresponde a 6 pés ou aproximadamente 1,83m.

    BRAQUIÓPODES
    Animais marinhos, bentônicos, dotados de uma concha bivalve, predominantemente de natureza calcária. Estão fixos ao fundo geralmente através de um órgão denominado pedículo ou pedúnculo, podendo ainda se soldarem por intermédio de uma das valvas. A valva central, geralmente a maior, apresenta comumente um orifício denominado forâmen, por onde sai o pedículo.

    BRECHA
    Rocha clástica de granulação grosseira constituída de fragmentos angulares de rocha (maiores que 2 mm.), cimentados por matriz de granulação mais fina de natureza igual ou diversa dos fragmentos maiores. Pode ser formada por sedimentação (brecha sedimentar), atividade ígnea (brecha ígnea, brecha eruptiva, brecha vulcânica) ou pela ação de falhamentos (brecha de falha, brecha tectônica, brecha cataclástica, cataclasito).

    BRECHA CÁRSTICA
    Brecha formada pelo colapso do teto de cavernas, em região de drenagem subsuperficial ativa, o que dá origem à formação de massas de clastos grosseiros, angulosos, cimentados posteriormente.

    BRECHA INTRAFORMACIONAL
    Brecha formada pela fragmentação de estratos parcialmente litificados e pela incorporação dos fragmentos, sem muito transporte, em camadas novas quase contemporâneas àqueles. Não confundir com conglomerado interformacional. (vide interformacional).

    BRECHÓIDE
    Estrutura de uma rocha que é composta por fragmentos angulosos de duas ou mais rochas diferentes entre si, ou fragmentos de uma só rocha, aglutinados por material cimentante.

    BREJO
    Terreno plano, encharcado, que aparece nas regiões de cabeceiras ou em zonas de transbordamento de rios. Embora os brejos das regiões litorâneas geralmente sejam originados à partir de rios permanentes, os brejos de cabeceiras podem se formar em regiões com rios intermitentes.

    BRIOZOÁRIOS
    Animais coloniais, predominantemente marinhos, bentônicos ou epiplantônicos, que vivem sobre algas ou incrustados em conchas, rochas ou outros objetos. Raramente ultrapassam 1mm de comprimento e ocorrem em águas com profundidade de até 5500m, sendo contudo mais abundantes em águas rasas dos mares tropicais ou temperados. Acham-se documentados desde o Proterozóico Superior.

    BRISA
    Vento local, diurno ou noturno, de pouca intensidade e com velocidade média de até 50km/h (forças de 1 a 6 na Escala de Beaufort).

    BRITAGEM
    Fragmentação mecânica de uma rocha, industrialmente realizada em britadores, com o objetivo de reduzir as dimensões até tamanhos não inferiores a 1 cm. (abaixo deste tamanho denomina-se moagem).

    BROCA
    (1) Ferramenta com arestas cortantes em uma extremidade, para fazer furos em materiais duros (2) Designação comum a insetos que perfuram frutos, sementes, madeira etc.

    BRUMA
    Fenômeno no qual a visibilidade torna-se reduzida devido à concentração de material particulado sólido, muito fino, em suspensão no ar.

    BRUNIZEM
    Classe de solos caracterizados por apresentar argila de atividade alta e horizonte A chernozênico, incluindo perfis de B incipiente e B textural, ambos de coloração pouco viva, tendendo a escura.

    BRUNIZEM AVERMELHADO
    Classe de solos com horizonte B textural, não hidromórfico, constituídos de horizonte A chernozênico sobre horizonte B textural com argila de atividade alta e cores vermelho-vivas.

    BRUNO NÃO CÁLCICO
    Classe de solos com horizonte B textural avermelhado vivo, não hidiomórfico, de regiões semi-áridas. O horizonte A tem cor clara e é endurecido quando seco, sendo que em geral esses solos são cascalhentos, principalmente na superfíciee no horizonte A.

    BULBO
    Tipo de caule, subterrâneo ou aéreo, dominado por grande gema terminal suculenta, por exemplo, a cebola.

    BUTANO
    Hidrocarboneto saturado com quatro átomos de carbono e dez átomos de hidrogênio (C4H10). É gasoso, incolor e possui cheiro característico. Empregado como combustível doméstico e como iluminante. Também utilizado como fonte de calor industrial em caldeiras, fornalhas e secadores.