• Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos
    • Mineropar

       Serviço Geológico do Paraná

    Ações

    Aqui você encontra os últimos termos que foram incluídos em nosso glossário. Para ler mais, consulte o índice.

    A :  B :  C :  D :  E :  F :  G :  H :  I :  J :  K :  L :  M :  N :  O :  P :  Q :  R :  S :  T :  U :  V :  W :  X :  Z : 

    Glossário de termos geológicos

    G (gama)
    Fator que quantifica a redução da espessura da crosta original em um determinado ponto, quando esta sofre estiramento. Numericamente, corresponde a 1-1:b [vide b (beta)].

    GABIÕES
    Tipo de enrocamento em que as rochas são arrumadas em gaiolas de tela protegida contra a erosão, as quais podem tomar as formas de caixas, sacos ou montes. Com gabiões podem ser construídos muros de arrimo, pequenas barragens, esporões no litoral, dentre outros.

    GABRO
    Rocha plutônica básica, granular, essencial-mente constituída por plagioclásio cálcico e augita. Possui coloração escura.

    GALENA
    Mineral que cristaliza no sistema isométrico, classe hexaoctaédrica, composição PbS, brilho metálico reluzente e cor cinza do chumbo. Pode conter pequenas quantidades de zinco, cádmio, antimônio, bismuto e cobre, sendo que o enxofre pode ser substituído pelo selênio, formando uma série completa PbSPbSe. Pela oxidação é convertida em anglesita, um sulfato, e em cerussita, um carbonato. É a mais importante fonte de chumbo.

    GALERIA
    Caminho ou corredor subterrâneo. Termo utilizado em geologia para designar, principalmente, os trabalhos de escavação para exploração de minérios em profundidade.

    GALERIA DE DRENAGEM
    Galeria aberta no interior de um maciço ou estrutura a fim de canalizar para o sistema de coleta ou armazenamento, as águas provenientes dos drenos e canaletas.

    GALERIA DE INFILTRAÇÃO
    Conduto fechado (dreno ou galeria) de pequena declividade, escavado em um aqüífero, para recolher as águas subterrâneas que escoam por gravidade. Galeria de drenagem.

    GALERIA PLUVIAL
    Conjunto de tubos enterrados, destinados a conduzir águas pluviais.

    GALVANIZAÇÃO
    Processso de tratamento superficial que consiste em formar uma película protetora do metal-base, resistente a corrosão, por eletrodeposição de íons metálicos (Zn, Ni, Cu, Cr, etc.).

    GALVANÔMETRO
    Instrumento que serve para revelar ou medir a intensidade das correntes elétricas fracas, por meio de desvios que se imprimem a uma agulha imantada ou a um quadro condutor colocado no interior de um círculo magnético. É, a rigor, um amperômetro de grande sensibilidade.

    GANGA
    Parte não aproveitável de uma jazida mineral. Designação aplicada sobretudo no caso de minérios metálicos.

    GÂNISTER
    Rocha detrítica terrígena, que se apresenta endurecida, sendo formada quase que exclusivamente por quartzo cimentado por sílica secundária.

    GARGANTA
    Passagem estreita situada em uma crista, serra ou borda de um planalto, resultante do aprofundamento do talvegue de um rio em rochas mais resistentes. Em seção transversal é menor do que um desfiladeiro e maior e mais profunda do que uma ravina.

    GARI (VARREDOR)
    Indivíduo que efetua a varrição.

    GARIMPAGEM
    Trabalho individual no qual são utilizados instrumentos rudimentares, aparelhos manuais ou máquinas simples e portáteis, na extração de gemas, minerais metálicos ou não- metálicos, valiosos, em depósitos de eluvião ou aluviões, nos alvéolos de cursos d’água ou nas margens reservadas, bem como nos depósitos secundários ou chapadas (grupiaras), vertentes e alto de morros, depósitos esses genericamente denominados garimpos.

    GARIMPEIRO
    Trabalhador que extrai substâncias minerais úteis, utilizando processos rudimentares e individuais de mineração, garimpagem, faiscação ou cata.

    GARNIERITA
    Mineral de origem secundária aparentemente amorfo, que se apresenta sob a forma de incrustações e de massas terrosas, com coloração comumente verde-maçã e composição (Ni,Mg) SiO3 nH2O.

    GÁS BIOQUÍMICO (GBQ), GÁS DE ATERRO OU BIOGÁS
    Mistura de gases produzidos pela ação biológica na matéria orgânica em condições anaeróbias, composta principalmente de dióxido de carbono e metano em composições variáveis.

    GASÓLEO
    Derivado de petróleo, mais pesado do que a nafta e mais leve que o óleo combustível, sendo obtido através do processo de destilação, sendo utilizado como matéria-prima de processos secundários (craqueamento), para obtenção de GLP e gasolina. Dentro de certos limites, pode ser utilizado como óleo diesel ou como diluente para óleos combustíveis.

    GEADA
    Congelamento do orvalho na superfície e que pode atingir diferentes intensidades. Para ocorrer este congelamento não é necessário que a temperatura no ar esteja igual ou menor que 0°C, isto porque na superfície a temperatura pode ser até 5°C inferior a do ar, dependendo da perda radioativa da superfície. Quando a seiva das plantas congela, é chamada de geada negra.

    GÊISER
    Fonte quente que expele água intermitentemente, sob forma de jatos verticais, havendo grande regularidade nos intervalos de repouso, podendo tal intervalo variar desde alguns segundos até mesmo algumas semanas. Ao redor de cada gêiser forma-se geralmente um montículo perfurado por onde escapa o jato d’água, sendo este montículo formado geralmente por sílica (opala ou calcedônia) que recebe a denominação genérica de geiserita.

    GEL
    Substância formada pela coagulação de uma dispersão coloidal.

    GELEIRA
    Grande massa de gelo formada nas regiões continentais, onde a precipitação da neve compensa a perda pelo degelo, motivo pelo qual a massa de gelo é conservada. Os dois tipos principais de geleira são as do tipo alpino, ou geleira de vale, e continental, também denominado inlandsis. Um terceiro tipo, intermediário, é o de piemonte.

    GELO
    Água em estado sólido. No gelo continental podem ser distinguidos: gelo de altitude, formado acima da linha de neve perene; gelo de latitude, formado nas zonas polares, onde o limite das neves atinge nível igual ou próximo a zero. O gelo marinho forma-se em altas latitudes, por congelamento da água do mar, não excedendo poucos metros de espessura, podendo contudo ter larga distribuição.

    GEMA (Mineralogia)
    Substância natural ou sintética, lapidada, rara, e que devido as suas propriedades de transparência, cor, brilho, dureza, e efeitos óticos pode ser utilizada para fins de adorno pessoal. Atualmente os termos pedra preciosa e semipreciosa encontram-se em desuso.

    GEMAGEM
    Operação voltada a extração de resinas ou de látex das árvores.

    GEMINADO (Cristalografia)
    Intercrescimento de dois ou mais cristais de uma determinada substância, de acordo com uma lei definida, de modo que certas direções dos retículos são paralelas ao passo que outras direções estão em posição reversa.

    GEMOLOGIA
    Ciência que estuda a identificação, nivelação, avaliação, modelação e outros aspectos das gemas.

    GENE
    Região do DNA que controle uma característica hereditária particular, geralmente corresponde a uma única proteína ou RNA. Esta definição inclui a unidade funcional complete, compreendendo a seqüência de DNA codificante, seqüências reguladoras não codificantes e íntrons.

    GENÉTICA
    Ramo da Biologia que estuda a hereditariedade. Se ocupa das diferenças entres os seres vivos, suas causas e dos mecanismos e leis que regem a transmissão dos caracteres individuais.

    GEOBOTÂNICA
    Ciência que estuda a origem e a distribuição dos vegetais sobre a Terra. Inclui a fitogeografia, a fitoecologia e a fitossociologia.

    GEOCLINAL
    Depressão estreita, longa e acunhada, desenvolvida em margem continental passiva. Caso contenha ou não rochas vulcânicas associadas aos sedimentos, é denominada eugeoclíneo ou miogeoclíneo.

    GEOCRÁTICO
    Denominação aplicada à fase de preenchimento de uma bacia sedimentar na qual predomina a deposição continental sobre a deposição marinha.

    GEOCRONOLOGIA
    Ramo da geologia que se ocupa da avaliação da idade das rochas e eventos geológicos. São utilizados os seguintes métodos: 1) Métodos relativos como a relação estrutural de estratos, seu conteúdo fóssil; 2) Métodos absolutos a geológicos, p.ex., deduções cronológicas da espessura ou resistividade de sedimentos, da salinidade dos mares; 3) Físicos como datações pelos métodos Rubídio-Estrôncio, Potássio-Argônio, Carbono 14, Urânio-Chumbo.

    GEODÉSIA
    Ciência relacionada com a determinação do tamanho e da forma da Terra e a localização de pontos em sua superfície; determinação do campo gravitacional da Terra e o estudo das variações temporais tais como: mares, movimento polar e rotação da terra.

    GEODINÂMICA
    Parte da geologia que trata das manifestações dinâmicas do interior da Terra que afetam a s características da crosta.

    GEODO
    Cavidade revestida por minerais que não chegam a completá-la, e cuja forma externa aproxima-se de uma esfera. Sin: Drusa.

    GEOECOLOGIA
    Ciência que atua na interface entre a Geografia e a Ecologia, através de uma estrutura multi e interdisciplinar. Resulta de uma abordagem holística por todas as áreas das ciências envolvidas, para estabelecer e definir os relacionamentos entre os diversos meios que integram os sistemas da paisagem. Sua importância está diretamente relacionada à capacidade de apoio à gestão ambiental a ao planejamento territorial. Ecologia da paisagem.

    GEOECOSSISTEMA
    Unidade da paisagem que se individualiza por apresentar características a nível biótico, abiótico e humano que lhes conferem uma unidade. É configurado por uma estrutura, função e dinâmica, variáveis no tempo e no espaço, e produzidas historicamente sob a ação de forças naturais e humanas geofácies Setor fisionomicamente homogêneo, onde se desenvolve uma mesma fase de evolução geral do geossistema. Representa uma pequena malha na cadeia de paisagens que se sucedem no tempo e no espaço no interior de um mesmo geossistema.

    GEOFÍSICA
    Ciência que estuda a Terra por meio de métodos físicos quantitativos. Estuda os fenômenos físicos que afetam a Terra, tais como: os efeitos da gravidade, do magnetismo, da sismicidade e do estado elétrico do planeta. Determina ainda as propriedades físicas da crosta que condicionam tais fenômenos.

    GEOGRAFIA
    Ciência que tem por objeto a descrição da superfície da Terra, o estudo dos seus acidentes físicos, climas, solos e vegetações e as relações entre o meio natural e os grupos.

    GEÓIDE
    Superfície equipotencial do campo gravimétrico da Terra, coincidindo com o nível médio inalterado do mar, e que se estende por todos os continentes, sem interrupção. A direção da gravidade é perpendicular ao geóide em qualquer ponto.

    GEOLOGIA
    Ciência que estuda a história da Terra e da sua vida pretérita. Do ponto de vista prático a geologia está voltada tanto a indicar os locais favoráveis a encerrarem depósitos minerais úteis ao homem, como também do ponto de vista social, a fornecer informações que permitam prevenir catástrofes, sejam aquelas inerentes às causas naturais, sejam aquelas atribuídas à ação do homem sobre o meio ambiente. É também empregada direta ou indiretamente nas obras de engenharia, na construção de túneis, barragens, estabilização de encostas etc.

    GEOLOGIA AMBIENTAL
    Aplicação dos conhecimentos e princípios geológicos para avaliar os problemas causados pela exploração e ocupação humana do meio ambiente. Os estudos utilizados são de: topografia, geologia de engenharia e econômica, hidrogeologia, assim como os processos, recursos da terra e propriedades físicas, químicas e mecânicas dos materiais que constituem a Terra.

    GEOLOGIA APLICADA
    Usa conceitos e métodos geológicos para pesquisa de problemas específicos de: prospecção e mineração (Geologia Econômica), de água (Hidrogeologia), petróleo (Geol. de Petróleo) na verificação das condições geológicas para obras de engenharia (Geol. Aplicada à Engenharia), etc.

    GEOLOGIA DE ENGENHARIA
    Aplicação dos conhecimentos do meio físico geológico, através das denominadas Ciências da Terra, em suas relações com as obras de engenharia nas fases de sua concepção, viabilidade, projeto, construção, operação e manutenção.

    GEOLOGIA DE PETRÓLEO
    Ramo da Geologia relacionado com a origem, migração e acumulação de petróleo e gás natural, bem como a pesquisa, exploração e explotação das suas jazidas.

    GEOLOGIA DE PLANEJAMENTO
    Campo de aplicação do conhecimento geológico em obras de Engenharia (barragens, escavações, mineração, obras viárias, portos, canais, edificações e obras de arte); análise ambiental; planejamento urbano e regional; e recuperação do meio ambiente; considerando os aspectos relacionados à geologia, confecção e utilização de cartas geotécnicas e geológicas, e legislação ambiental.

    GEOLOGIA ECONÔMICA
    Estudo e análise dos corpos geológicos e dos materiais que podem ser utilizados lucrativamente pelo homem, incluindo combustíveis, metais, minerais, não-metálicos e água,+ aplicação do conhecimento geológico e da teoria para pesquisa e compreensão dos depósitos minerais.

    GEOLOGIA ESTRUTURAL
    Estudo das feições estruturais das rochas, da distribuição geográfica destas feições e das suas causas. Trata da atitude, forma e arranjo dos estratos na crosta terrestre e as mudanças que neles ocorrem como resultado das deformações e deslocações. Sins: geologia tectônica, geotectônica, tectônica. I: Structural Geology.

    GEOLOGIA FÍSICA
    Divisão ampla da Geologia que trata dos processos e forças envolvidos na evolução inorgânica e na morfologia da Terra, dos seus minerais constituintes, rochas, magmas e materiais do núcleo.

    GEOLOGIA GLACIAL
    Estudo das feições geológicas e efeitos resultantes da erosão e deposição, causados por geleiras ou sob glaciação.

    GEOLOGIA HISTÓRICA
    Ramo da Geologia que se preocupa com a evolução da Terra e suas formas de vida desde sua origem até os dias atuais. O seu estudo inclui investigações de Estratigrafia, Paleontologia e Geocronologia, considerando os paleoambientes, os períodos glaciais e os movimentos de placas tectônicas

    GEOLOGIA ISOTÓPICA
    Estudo e aplicação da radioatividade e estabilidade dos isótopos, especialmente sua abundância para a Geologia. Inclui o cálculo do tempo geológico e a determinação da origem, mecanismos e condições dos processos geológicos através dos isótopos .

    GEOLOGIA MARINHA
    Estudo das margens e do fundo oceânico, incluindo descrições da topografia, composição dos materiais do fundo, interação de sedimentos e rochas com o ar e a água do mar, os efeitos dos movimentos do manto no fundo oceânico e a ação da energia das ondas na crosta submarina da Terra.

    GEOLOGIA REGIONAL
    Geologia de qualquer área relativamente extensa, considerada do ponto de vista da distribuição espacial e da posição das unidades estratigráficas, das feições estruturais e das formas da superfície.

    GEOMECÂNICA
    Designação mais ampla que o conceito de Mecânica das Rochas, pois se refere ao ramo de ciência que estuda, sob os aspectos teórico e aplicado, o comportamento mecânico de todos os materiais geológicos (solos e rochas), e as suas reações aos campos de forças que se manifestam sobre o respectivo ambiente físico.

    GEOMORFOLOGIA
    Ciência que estuda o relevo da superfície terrestre, sua classificação, descrição, natureza, origem e evolução, incluindo a análise dos processos formadores da paisagem. Pode ainda ser inserido o estudo das feições submarinas.

    GEOPROCESSAMENTO
    É o conjunto de metodologias que visa a Análise Espacial de Dados Georreferenciados utilizando tecnologias de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) e Sistemas de Análise de Imagem (SAI), integrados à Sistemas de Gerenciamento de Bases de Dados, relacionais ou não (RDBMS, DBMS), visando a construção de modelos da realidade e, com o objetivo de dar suporte ao planejamento e à tomada de decisões, através de visualização e:ou monitoramento dos fenômenos relacionados ao Meio Físico e Biótico.

    GEOQUÍMICA
    Como definido por Goldschmidt (1954) é o estudo da distribuição e quantidade dos elementos químicos nos minerais, minérios, rochas, solos, água e atmosfera; da circulação dos elementos na natureza, com base nas propriedades dos seus átomos e íons. Também é o estudo da distribuição e abundância dos isótopos, incluindo problema da freqüência e estabilidade nuclear no universo. Tem como um dos seus principais interesses a avaliação sinóptica da abundância dos elementos na crosta terrestre e as principais classes de rochas e minerais.

    GEOSSINCLINAL
    Área subsidente da crosta terrestre (bacia) na qual se acumulam pacotes vulcano-sedimentares com espessuras de milhares de metros; termo proposto por Dana (l873). Com o advento da Tectônica de Placas, os processos associados aos geossinclinais foram interpretados como relacionados à abertura e fechamento de um oceano. I: Geosyncline.

    GEOSSISTEMA
    Classe peculiar de sistemas dinâmicos, flexíveis, abertos e hierarquicamente organizados, com estágios de evolução temporal, e que apresentam uma mobilidade cada vez maior devido a atuação do homem.

    GEOSSUTURA
    Zona linear limítrofe de colisão litosférica, quando esta envolve massas continentais e:ou arcos de ilha; zona limítrofe entre unidades geotectônicas contrastantes da crosta continental, que se configura, em muitos lugares, como uma grande falha de que estende através de toda a espessura da crosta. Megassutura é um termo de significado geotectônico mais amplo, que abrange não apenas os cinturões de dobramento ou cinturões orogenéticos, mas também inclui as profundas bacias que lhes estão associadas. Sin.: Sutura.

    GEOTECTÔNICA
    Ciência que estuda a estrutura e a deformação da crosta terrestre, ocupando-se dos movimentos e processos deformativos que se originaram no interior da Terra, procurando definir as leis que governam o seu desenvolvimento. Sin.: Tectônica Global. .I: Geotectonics.

    GEOTECTÔNICA
    Ciência que estuda a estrutura e a deformação da crosta terrestre, ocupando-se dos movimentos e processos deformativos que se originaram no interior da Terra, procurando definir as leis que governam o seu desenvolvimento. Sin.: Tectônica Global. .I: Geotectonics.

    GEOTERMA
    Curva que define a relação entre a temperatura e a profundidade no interior da Terra.

    GEOTERMOMETIRA
    a) Estudo do calor e fontes de calor da Terra incluindo a temperatura e os seus efeitos nos processos químicos e físicos e na vulcanologia. b) Determinação da temperatura de equilíbrio químico da rocha, mineral ou fluído.

    GEOTOPO
    Menor unidade geográfica homogênea, diretamente discernível no terreno.

    GESSO
    Produto obtido da moagem da gipsita, com posterior aquecimento a uma temperatura compreendida entre 1900C e 2000C, até que cerca de 75% da água tenha sido eliminada.

    GESTÃO AMBIENTAL
    Administração integrada de uma região com critérios de equilíbrio, com objetivo de buscar o desenvolvimento e bem estar harmonioso dos seres humanos, sem esgotar e:ou deteriorar os recursos renováveis e sem destruir os não renováveis.

    GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
    Conjunto de atividades, tal como geração, armazenamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final dos resíduos, de acordo com suas características, para a proteção da saúde humana, recursos naturais e meio ambiente.

    GIARDÍASE
    Infecção intestinal freqüentemente assintomática, mas que pode também apresentar uma diversidade de sintomas, tais como diarréia crônica, esteatorréia, cólicas abdominais, fadiga e perda de peso. Nos casos graves, podem ocorrer lesões e alterações inflamatórias de células de mucosa do duodeno e do jejuno. O agente etiológico é a Giardia lamblia, protozoário flagelado que existe sob as formas de cistos e trofozoíto. A primeira é a forma infectante. A transmissão direta dá-se pela contaminação das mãos, e conseqüente ingestão de cistos existente em dejetos de pessoa infectada; sendo a indireta, através da ingestão de água ou alimento contaminados.

    GIGA ANOS (Ga)
    Unidade de tempo equivalente a 109 anos.

    GIPSITA
    Mineral que cristaliza no sistema moniclínico, classe prismática, dureza muito baixa, 2 na escala de Mohs, podendo ser riscado com a unha, transparente a translúcido e composição CaSO42H2O .Reduzido a pó fino, pode ser usado como corretivo do solo, embora seja menos solúvel do que o gesso. Quando nãocalcinado é utilizado como retardador no cimento Portland. Gipso.

    GIPSO
    Ver gipsita.

    GLACIOLOGIA
    Ciência que trata das propriedades, ocorrência, acumulação e ação do gelo, sob todas as formas, especialmente como geleiras.

    GLEI
    Característica dos solos de cor acinzentada, com ou sem mosqueado, encontrada em áreas permanentemente encharcadas.

    GLEISSOLO HÚMICO
    Solo que apresenta drenagem imperfeita ou impedida, e um horizonte turfoso A chernozêmico ou A húmico, com 20cm ou mais de espessura, sobre um horizonte gleizado. Apresenta características morfológicas relativamente desenvolvidas, sofrendo, entretanto, a influência local do relevo que condiciona a drenagem restrita.

    GLEISSOLOS
    Solos hidromórficos constituídos por material mineral, que apresentam horizonte glei dentro dos primeiros 50cm da superfície do solo, ou a uma profundidade situada entre 50cm e 125cm, desde que imediatamente abaixo dos horizontes A ou E (gleizados ou não), ou precedidos por horizonte B incipiente, B textural ou horizonte C, com presença de mosqueados abundantes com cores de redução. São excluídos dessa classe, solos com características distintas dos vertissolos, espodossolos, planossolos, plintossolos, ou organossolos.

    GLICOGÊNIO
    Polissacarídeo composto exclusivamente por unidades de glicose usados para armazenar energia nas células animais. Grandes grânulos de glicogênio são especialmente abundantes nas células dos músculos e fígado.

    GNAISSE
    Grupo de rochas metamórficas originadas por metamorfismo regional, especialmente de alto grau, de textura orientada, granular, caracterizada pela presença de feldspato, além de outros minerais como quartzo, mica, anfibólio. Rocha muito comum no embasamento cristalino brasileiro.

    GNAISSIFICAÇÃO
    No seu significado tectônico refere-se a laminação de uma rocha de composição granítica.

    GOLFO
    Reentrância mais ou menos ampla na costa e que apresenta profundidade suficiente para permitir a atracação de navios de grande calado. É em geral maior, mais fechado e mais profundamente recortado do que uma baía.

    GOLPE DE ARIETE (Hidrologia)
    Aumento ou diminuição brusca do escoamento, da altura ou da pressão da água, que se propaga longitudinalmente em um conduto, como uma onda, pela variação brusca da velocidade. Pode gerar um fenômeno de ondulação ou de ruptura.

    GOMA
    Substância de composição complexa e variada que ocorre em canais especiais existentes geralmente na casca viva de certas plantas, e que exsuda mediante ferimento na mesma. O látex da seringueira é um tipo de goma.

    GONDWANA
    Supercontinente que, até pelo menos o final da Era Paleozóica, reunia as terras situadas no hemisfério sul. Juntamente com a Laurásia, que reunia as terras hemisfério norte, compunha originalmente o Pangea.

    GOSSAN
    Corpo resultante da alteração intempérica de rochas sulfetadas, quando situadas próximas à superfície do terreno. É geralmente formado por grande quantidade de oxi-hidróxidos de ferro, que na superfície, quando intactos, constituem verdadeiras carapaças ferruginosas (sin.: chapéu de ferro).

    GRÁBEN
    Bloco abatido, relativamente alongado e estreito, limitado por falhas normais. Sua definição original (Suess, 1885) referia-se à feição geomorfológica muito mais do que à tectônica. Sin.: Fossa Tectônica. A/I: Graben.

    GRADIENTE
    A inclinação de um plano, leito de rio, etc., expresso em porcentagem, ou em graus, ou fração.

    GRADIENTE HIDRÁULICO
    Relação entre a diferença de potencial hidráulico entre dois pontos e a distância horizontal que os separa.

    GRAFITA
    Mineral que apresenta a mesma composição do diamante, isto é, C, diferindo profundamente em virtude de cristalizar no sistema Hexagonal, classe Bipiramidal - dihexagonal, mostrar dureza muito baixa, brilho metálico, cor entre o negro e o cinzento do aço, sendo untosa ao tato.

    GRANADA
    Grupo de minerais que cristalizam no sistema isométrico (cúbico), classe hexaoctaédrica e apresentando fórmula geral A3B2 (SiO4)3,onde A pode ser cálcio, magnésio, ferro ferroso, além do manganês bivalente, e B, o alumínio, ferro férrico, titânio ou cromo. Seus principais membros são: piropo, almandina, espessartita, grossulária, andradita e uvarovita. A melanita é uma variedade de coloração negra, da andradita.

    GRANITIZAÇÃO
    Processo de transformação de rochas pré-existentes em rochas de caráter semelhante ao do granito, sem ter havido um estágio magmático intermediário.

    GRANITO
    Rocha plutônica, ácida, granular, essencialmente constituída por quartzo e feldspatos alcalinos e, acessoriamente por biotita, muscovita, piroxênios e anfibólios. Possui coloração clara.

    GRANIZO
    Precipitação de pequenas pedras de gelo, com diâmetros variando comumente entre 5mm e 50mm, e por vezes até maiores, transparentes ou translúcidas que caem isoladamente com forma esférica e raramente cônica ou sob a forma de aglomerados em massas irregulares.

    GRANODIORITO
    Rocha plutônica, ácida, granular, de composição intermediária entre o adamelito e o quartzo diorito, constituída por plagioclásio, quartzo e feldspato potássico; com biotita, hornblenda e, mais raramente, piroxênio.

    GRANULAÇÃO
    Aspecto da textura de uma rocha ligada ao tamanho dos seus componentes. É subdividida em: microcristalina, com grãos não reconhecíveis a olho nu; fina, com tamanhos até 1 mm; média, de 1 - 10 mm; grossa, com grãos de 10 - 30 mm.

    GRANULAR (TEXTURA)
    Textura de rochas onde a maioria dos minerais são aproximadamente equidimensionais.

    GRANULITO
    Rocha metamórfica equigranular, sem minerais micáceos ou anfibólios e, portanto, sem xistosidade nítida. Produto de metamor-fismo regional do mais alto grau.

    GRANULOMETRIA
    Medição das dimensões dos componentes clásticos de um sedimento ou de um solo. Por extensão, composição de um sedimento quanto ao tamanho dos seus grãos. As medidas se expressam estatisticamente por meio de curvas de freqüência, histogra-mas e curvas cumulativas. O estudo estatístico da distribuição baseia-se numa escala granulométrica. (Sins: análise granulométrica, análise mecânica).

    GRAU DE RESISTÊNCIA
    Determinação dos ângulos de atrito interno e da coesão, assim como as características de cisalhamento dos solos e rochas, em corpos de prova submetidos a ensaios de cisalhamento direto e de compressão triaxial.

    GRAU DE SATURAÇÃO (DE SOLO)
    Relação entre o volume de água nos vazios de um solo e o volume total destes, expressa em porcentagem.

    GRAU DE TRATAMENTO
    Medida de remoção efetuada por um processo de tratamento com referência a sólidos, matéria orgânica, bactérias ou qualquer outro parâmetro especifico indicador de poluição" (ABNT).

    GRAU GEOTÉRMICO
    Aumento da temperatura da Terra por unidade de profundidade. A média aproximada do gradiente geotérmico na crosta terrestre é de 25°C/Km, variando contudo em função da natureza da rocha, estrutura geológica e a presença de fontes secundárias de calor. Sin: Gradiente geotérmico.

    GRAUVACA
    Rocha sedimentar constituída de fragmentos arenosos, geralmente quartzo, e quantidade significativa de material argiloso.

    GRAVIMETRIA
    Método de prospecção geofísica cuja finalidade é investigar estruturas geológicas através do conhecimento das variações do campo gravitacional da Terra produzidas por irregularidades na distribuição de massa nas partes superiores da crosta terrestre.

    GREDA
    Rocha calcária com granulometria dos lutitos, formada pela acumulação de micro fósseis, sendo que recebe a denominação particular de giz quando apresenta a cor branca.

    GREISENIZAÇÃO
    Processo de alteração hidrotermal, em que o feldspato e a muscovita são convertidos em um agregado constituído por quartzo, topázio, turmalina e lepidolita, devido à ação do vapor d’água contendo flúor.

    GRETAS DE CONTRAÇÃO
    Feições originadas pela exposição subaérea de sedimentos constituídos por alternância de areia e pelitos, devido a perda de água. Essas estruturas sedimentares servem para indicar topo e base de seqüências estratigráficas. I.: mud cracks.

    GROTÃO
    Termo regional utilizado para indicar sulcos que aparecem em encostas íngremes, cavados pela erosão fluvial.

    GRUPO (Estratigrafia)
    Unidade litoestratigráfica formal, de categoria superior à formação, e constituído necessariamente pela associação de duas ou mais formações, relacionadas por características ou feições litoestratigráficas comuns ou por referenciais litoestratigráficos que o delimitem.

    GRUTA
    Cavidade natural, relativamente grande, com ou sem abertura para a superfície. Sin: caverna.

    GUANO
    Substância rica em fosfato, com até mais de 30% de P2O5 e compostos nitrogenados, formada por alteração penecontemporânea de depósitos de excrementos de animais, principalmente aves marinhas e mais raramente morcegos. Pode ser usado como fertilizante agrícola.

    GUARNIÇÃO DE COLETA
    Equipe de um veículo coletor constituída pelo motorista e coletores de lixo.

    GUIA (CAMADA)
    Camada que serve de referência geológica nas mapeações, nas sondagens, etc.

    GUTA-PERCHA
    Substância gomosa, análoga à borracha, extensível, mas sem elasticidade, plástica a uma temperatura de 1000 C. Excelente isolante de eletricidade, obtido do látex de várias plantas da família das Sapotáceas, especialmente da Palquium gutta Burck.