• Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos
    • Minerpar

       Serviço Geológico do Paraná

    Ações

    Aqui você encontra os últimos termos que foram incluídos em nosso glossário. Para ler mais, consulte o índice.

    A :  B :  C :  D :  E :  F :  G :  H :  I :  J :  K :  L :  M :  N :  O :  P :  Q :  R :  S :  T :  U :  V :  W :  X :  Z : 

    Glossário de termos geológicos

    VADOSA
    Vide água gravitativa.

    VALE
    Depressão topográfica alongada, aberta, inclinada em uma determinada direção em toda a sua extensão. Pode ser ou não ocupada por água. Os vales podem ser dos tipos: fluvial, glacial, suspenso e de falha.

    VALE CÁRSTICO
    Vide poljé.

    VALE DE FALHA
    Vale que segue uma linha de falha.

    VALE ENCAIXADO
    Vale cujo aprofundamento do talvegue foi muito grande, propiciando a existência de margens estreitas e vertentes com fortes declives.

    VALE FLUVIAL
    Vale ocupado por um rio.

    VALE GLACIAL
    Vale em forma de U originado pela erosão glacial.

    VALE SUSPENSO
    Vale cujo fundo encontra-se situado em um nível superior a uma depressão adjacente, que pode ser outro vale, um lago, ou até mesmo o próprio mar.

    VALETEAMENTO
    Prática conservacionista própria para pastagens, consistindo na abertura de valetas, que são sulcos profundos e largos, abertos por uma valetedeira.

    VALO DE OXIDAÇÃO
    É um reator biológico aeróbio de formato característico, que pode ser utilizado para qualquer variante do processo de lodos ativados que comporte um reator em mistura completa.

    VALORAÇÃO AMBIENTAL
    Atribuição de valores monetários aos ativos ambientais, às mudanças ocorridas nos mesmos e aos efeitos dessas mudanças no bem-estar humano.

    VARIEGADO
    Quando não há predominância perceptível de determinada cor na massa do solo.

    VARREDEIRA AUTOMÁTICA
    Veículo utilizado para varrição de vias públicas, dotado de locomoção própria, ou rebocável, com sistema de aspersão de água para evitar poeiras, escovas e depósito para o armazenamento dos resíduos recolhidos (ABNT).

    VARREDURA
    Resíduo sólido recolhido pela varrição e pela conservação, inclusive o material depositado por traseuntes nos cestinhos e recipientes instalados para esse fim. É constituído por ciscos, detrito, terra, excremento de animais e outros (ABNT).

    VARRIÇÃO
    Ato de varrer vias, calçadas, sarjetas, escadarias, túneis e logradouros públicos em geral, pavimentados, podendo ser manual ou mecânico (ABNT).

    VARVITO
    Sedimento de origem glacial depositado em um lago, formando pares que correspondem ao verão e ao inverno.

    VÁRZEA
    Terreno baixo e plaino bordejando o canal fluvial, e situado entre as paredes do vale. A várzea é parte integrante do plaino aluvial, que é a forma fundamental produzida pela erosão lateral dos rios. Sins.: planície de inundação, área de inundação.

    VASA
    Depósito pelágico de granulação fina, contendo normalmente mais de 30% de material de origem orgânica.

    VASA CORALINA
    Lama calcária depositada nas proximidades de recifes de corais, após a faixa de distribuição da areia coralina, rumo ao mar aberto.

    VASA SILICOSA
    Depósito pelágico fino com mais de 30% de material de origem orgânica, grande parte da qual sendo formada por esqueletos silicosos.

    VAZADOURO
    Local onde são depositados os resíduos sólidos, sem que sejam adotadas medidas de proteção ao meio ambiente.

    VAZADOURO A CÉU ABERTO
    Disposição final do lixo pelo seu lançamento em bruto sobre o terreno, sem qualquer cuidado ou técnica especial. Sin.: Lixão.

    VAZANTE
    Fase de decrescimento contínuo das alturas de água de um curso d’água ou lago.

    VAZÃO (HIDROGEOLOGIA)
    Volume de água, medido em litros por segundo ou metros cúbicos por hora, que é retirado de um poço, por meio de uma bomba ou compressor. A vazão pode ser natural, como no caso de uma fonte ou nascente, ou em poços tubulares com condições de artesianismo.

    VAZÃO CRÍTICA
    Vazão à partir da qual ocorre sensível redução da eficiência de um poço.

    VAZÃO ESPECÍFICA
    Relação da vazão com o rebaixamento do nível d’ água em um poço, expressa em litros por segundo por metro rebaixado, ou metros cúbicos por hora por metro rebaixado. Este valor é que indica a maior ou menor potencialidade de um poço como produtor de água.

    VEÍCULO COLETOR
    Veículo dotado de carroceria especialmente projetada para coleta de resíduos a que se destina e com recurso de descarga sem uso de mão humana (ABNT).

    VEÍCULO COLETOR COMPACTADOR
    Veículo de carroceria fechada, contendo dispositivo mecânico ou hidráulico que possibilite a distribuição e compressão dos resíduos no interior da carroceria a sua posterior descarga (ABNT).

    VEÍCULO COLETOR CONVENCIONAL
    Veículo com carroceria fechada, sem compactação ou baixa compactação, possuidor de calha para retenção de líquidos, com sistema apropriado para basculamento de sua descarga (ABNT).

    VEÍCULO PARA COLETA AMBULATORIAL
    Veículo com carroceria fechada, metálica, construído em forma de caixa retangular, com a parte superior abaulada, onde existem janelas providas de tampas corrediças pelas quais se efetua a carga dos resíduos, sem que eles sofram qualquer ação de compressão mecânica e cuja descarga se dá por basculamento da carroceria (ABNT).

    VEÍCULO PARA COLETA HOSPITALAR
    Veículo utilitário com carroceria especial, estanque, que permite alto nível de higiene e que pode transportar sacos descartáveis, sem rompê-los (ABNT).

    VEIO
    Depósito mineral tabuliforme, de origem hidrotermal, que preenche as fendas de uma rocha denominada encaixante. Distinguem-se veios discordantes, concordantes ou paralelo às camadas, normal, de contato entre duas litologias diferentes; ou, segundo a composição mineralógica - veio de quartzo, metalífero, etc.

    VELOCIDADE DE FLUXO
    Medida da quantidade de fluído que atravessa a área unitária de um meio, na unidade de tempo.

    VENENO
    Toxina de origem animal, que induz a formação de antiveneno no organismo do hospedeiro. Vide toxina.

    VENTIFACTO
    Seixo que se mostra facetado e polido devido a ação dos ventos, que provocam o choque entre os grãos, em regiões de clima desértico.

    VENTO ANABÁTICO
    Vento que se movimenta em direção à parte superior de uma elevação, como resultado de um aquecimento superficial local e independente dos feitos da circulação em larga escala. É oposto ao vento catabático.

    VENTO CATABÁTICO
    Vento produzido em região montanhosa, pela inversão do gradiente de pressão, fazendo com que o ar frio, mais denso, se desloque vertente abaixo em direção as depressões e vales.

    VERANICO
    Período de estiagem durante a estação chuvosa com ocorrência de grande calor.

    VEREDA
    Zona deprimida, com forma que pode ser ovalada, linear ou dirigida dentro de uma área estruturalmente plana ou aplanada pela erosão. Resulta de processos epidérmicos de exsudação do lençol freático, cujas águas geralmente convergem para um talvegue de drenagem concentrada, assinalada por um renque arbustivo e/ou arbóreo, caracterizado por palmeiras de diferentes espécies, particularmente buritis. Pode conter uma área com turfa. Constitui um estágio de evolução de uma dale.

    VERGÊNCIA (GEOLOGIA ESTRUTURAL)
    Sentido do transporte de massas nos cinturões compressivos ou transpressivos, marcado normalmente pela orientação da lineação de estiramento, a qual se desenvolve paralelamente à direção do tensor compressivo.

    VERNIZ DO DESERTO
    Fina película ou crosta delgada com 0,5mm a 5mm de espessura, de cor parda a negra brilhante, que recobre rochas do deserto que recebem boa iluminação solar. Consiste de óxidos de ferro e manganês depositados na superfície por soluções capilares ascendentes.

    VERTEDOR
    Dispositivo utilizado para controlar e medir pequenas vazões de líquidos em canais abertos.

    VERTENTE
    Forma tridimensional que foi modelada pelos processos de denudação, atuantes no presente e no passado, e representando a conexão dinâmica entre o interflúvio e o fundo do vale. No sentido amplo, vertente significa superfície inclinada ou declive de montanha por onde derivam as águas pluviais. sem apresentar qualquer conotação genética ou locacional. Podem ser subaéreas ou submarinas e são os componentes básicos de qualquer paisagem. São classificadas, segundo a sua geometria em: retilínea, côncava e convexa.

    VERTISSOLO
    Solo constituído por material mineral apresentando horizonte vértico e pequena variação textural ao longo do perfil. Apresenta pronunciadas mudanças de volume com o aumento do teor de umidade no solo, fendas profundas na época seca e superfície de fricção. Consistência muito plástica e muito pegajosa, devido à presença de argilas expansíveis ou mistura destas com outros tipos de argilominerais.

    VESÍCULA (GEOLOGIA)
    Cavidade vazia encontrada em rochas efusivas, originadas pela expansão de gases na massa fundida. Tem forma variável (esférica, elíptica, cilíndrica ou irregular).

    VETOR (BIOLOGIA)
    Animal, usualmente um artrópode, capaz de transmitir um agente patogênico de um organismo para outro.

    VIAS DE CIRCULAÇÃO
    São as vias destinadas à circulação de veículos e pedestres.

    VIDA MÉDIA (t)
    Relação entre o número de átomos de um determinado elemento químico, que se desintegram num certo tempo t, e o número total de átomos iniciais do mesmo elemento.

    VIDRO VULCÂNICO
    Substância amorfa, não cristalina, resultante da rápida consolidação do magma.

    VIRULÊNCIA
    Grau de patogenicidade de um agente infeccioso.

    VÍRUS
    Partícula consistindo de ácidos nucleicos - RNA ou DNA; envolvidos por uma carapaça protéica, com capacidade de replicar-se no interior de uma célula hospedeira e disseminar-se de célula a célula. Normalmente causam doenças.

    VISÃO ESTEREOSCÓPICA
    Efeito tridimensional que é obtido quando o observador olha simultaneamente duas imagens do mesmo objeto tiradas de pontos diferentes, ocorrendo a fusão do mesmo em um só ponto.

    VISCOSIDADE
    Força de coesão existente entre partículas de um fluído, graças a qual ele oferece resistência ao movimento de desliza-mento relativo entre suas partículas. Característica física dos fluídos em geral. Representa o coeficiente de proporcionali-dade entre o esforço aplicado e o gradiente da velocidade em regime de fluxo laminar.

    VIVEIRO FLORESTAL
    Denominação aplicada a uma determinada superfície do terreno que é destinada a produzir mudas de árvores sadias e vigorosas, para posterior utilização em plantios florestais ou reflorestamentos. Pode ser provisório ou permanente.

    VOÇOROCA
    Escavação mais ou menos profunda, que ocorre geralmente em terreno arenoso, originada pela erosão. É formada devido a ação da erosão superficial ou mais freqüentemente, pela ação combinada da erosão superficial e da erosão subterrânea. A erosão superficial tem como ponto de partida estradas antigas, valetas, ou também pontos topográficos favoráveis. Pode alcançar profundidades de várias dezenas de metros e extensão de centenas de metros. O mesmo que Boçoroca.

    VUG
    Cavidade freqüentemente preenchida por minerais que apresentam uma composição diferente daqueles da rocha circundante.

    VULCÂNICA (ROCHA)
    Rocha ígnea originada pelo extravasamento do magma na superfície terrestre, formando cones, derrames e piroclastos. Sins.: extrusiva, efusiva, eruptiva.

    VULCÂNICO (ARCO)
    Cinturão curvo de vulcões associado à zona de subducção, marcando a posição do magmatismo principal associado a margens convergentes. Pode configurar-se em arco de ilhas, ou em cinturão magmático na margem continental. I.: Volcanic arc, magmatic arc).

    VULCANISMO
    Conjunto de processos que levam à saída de material magmático em estado sólido, líquido ou gasoso à superfície terrestre.

    VULCANISMO FISSURAL
    Extravasamento de material magmático de forma linear, por meio de fissuras e rupturas na crosta.

    VULCANOLOGIA
    Ramo da Geologia que trata dos fenômenos e causas do vulcanismo.

    VULCÃO
    (1) Abertura na crosta terrestre, que dá saída a material magmático - lavas, cinzas e gases. (2) Forma ou estrutura produzida pela matéria expelida. A saída do material magmático dá-se por um conduto - chaminé - cujo término superior tem, freqüentemente, a forma de um funil - cratera -e pode ser ou não guarnecido por um cone vulcânico. Podem ser continentais ou submarinos. Distingue-se ainda vulcões extintos, inativos e ativos.

    VULNERABILIDADE
    Característica interna de um “sujeito” ou “sistema” que estão expostos a um evento perigoso (“hazard”), que corresponde a sua predisposição em ser afetado ou estar susceptível a sofrer perdas e:ou danos.

    VULNERABILIDADE FÍSICA
    Predisposição de perdas potenciais, proporcionais ao seu valor, quando um “elemento” está susceptível às várias intensidades de um evento.

    VULNERABILIDADE FUNCIONAL
    Perdas oriundas de um dano físico de um “elemento”, como interrupções das operações de infraestrutura e produção.