• Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos
    • Minerpar

       Serviço Geológico do Paraná

    Ações

    Aqui você encontra os últimos termos que foram incluídos em nosso glossário. Para ler mais, consulte o índice.

    A :  B :  C :  D :  E :  F :  G :  H :  I :  J :  K :  L :  M :  N :  O :  P :  Q :  R :  S :  T :  U :  V :  W :  X :  Z : 

    Glossário de termos geológicos

    ZARCÃO
    Denominação comercial do óxido de chumbo vermelho, com teor mínimo de 97% de Pb304.

    ZÊNITE
    Ponto da esfera celeste cortado pela vertical de um lugar.

    ZEÓLITA
    Grupo de silicatos hidratados de alumínio, cálcio e álcalis, que constituem minerais secundários formados a partir de feldspatos ou feldspatóides, pela ação de vapores ou soluções quentes. Encontram-se geralmente em aberturas ou amígdalas de rochas ígneas efusivas.

    ZIRCÃO
    Mineral da família dos ortossilicatos que cristaliza no sistema tetragonal classe bipiramidal-ditetragonal. Apresenta cores marrom, verde, azul, vermelho, amarelo, podendo mesmo ser incolor. Tem composição Zr (SiO4), dureza 7,5 e densidade 4,68. Mostra elevada refratariedade.

    ZONA ABISSAL
    Intervalo da região bentônica situado, grosso modo, entre as isóbatas de 2 000m e 6 000m, com a temperatura variando entre 4°C a 0°C. Caracteriza-se pela ausência total de luz e fauna pobre e escassa.

    ZONA ABISSOPELÁGICA
    Divisão de região pelágica compreendida entre os 2 000m e 6 000m.

    ZONA ADENSÁVEL
    É a região onde a infraestrutura está subutilizada, sendo possível a construção acima do coeficiente de aproveitamento único.

    ZONA AFÓTICA
    Parte do corpo de água, situado abaixo da zona fótica, na qual a escuridão é permanente.

    ZONA BATIAL
    Divisão de região bentônica compreendida entre as profundidades de 180m e 2000m, com a temperatura da água alcançando 4°C. A luz é bastante escassa, podendo contudo alcançar até 600 m de profundidade nas regiões tropicais.

    ZONA BATIPELÁGICA
    Divisão de região pelágica compreendida entre as profundidades de 500m e 2000m.

    ZONA DE AERAÇÃO
    Faixa compreendida entre o nível freático e a superfície do solo. É dividida desde sua porção inferior até a superior em: franja capilar, zona de retenção e zona de evapotranspiração.

    ZONA DE ALIMENTAÇÃO
    O mesmo que zona de recarga.

    ZONA DE AMORTECIMENTO (ECOLOGIA)
    Entorno de uma unidade de conservação, onde as atividades humanas estão sujeitas a normas e restrições específicas, com o propósito de minimizar os impactos negativos sobre a unidade.

    ZONA DE BAIXA VELOCIDADE
    Porção superior de Astenosfera situada junto à base da Litosfera, na qual a velocidade das ondas sísmicas diminui, sendo caracterizada pelas altas temperaturas e comportamento reológico dúctil. É um importante limite entre a Litosfera e a Astenosfera e de suma importância para a tectônica de placas.

    ZONA DE BENIOFF
    Zona correspondente ao hipocentro dos terremotos desenvolvidos nas margens convergentes das placas litosféricas. Pode alcançar profundidades de até 700km nas extremidades inferiores das placas subductantes. Representa as faixas sísmicas mais ativas do globo.

    ZONA DE CISALHAMENTO
    Zona onde ocorreu cisalhamento e atrito em grande escala, de forma que a rocha se encontra moída e brechada.

    ZONA DE EXUDAÇÃO
    Local em que ocorre a descarga de água de um aqüífero.

    ZONA DE FALHA
    Falhamento com dezenas ou centenas de metros de largura, constituído de um grande número de pequenas falhas entrelaçadas ou uma zona complexa de brecha e milonito. I: Fault Zone.

    ZONA DE METAMORFISMO
    Região caracterizada pelo mesmo conjunto de condições físico-químicas de metamorfismo e caracterizada por determinados minerais. Grubenmann (1904) distinguiu três zonas de metamorfismo: epizona, mesozona e catazona.

    ZONA DE OXIDAÇÃO
    Zona mais superficial da crosta terrestre, cujo limite é dado pelo nível hidrostático.

    ZONA DE RECARGA
    Área que contribui para alimentação de um aqüífero através das águas de precipitação pluviométrica ou de zonas profundas próximas, por infiltração direta ou por escoamento seguido de infiltração.

    ZONA DE RETENÇÃO
    Faixa intermediária da zona de aeração do solo, que contém água vadosa intermediária.

    ZONA DE SATURAÇÃO
    Camada do solo, cujos interstícios estão permanentemente cheios de água sob pressão hidrostática, correspondendo à zona de armazenamento da água subterrânea.

    ZONA EPIPELÁGICA
    Divisão da região pelágica compreendida entre 0m e 100m de profundidade, sendo bem iluminada.

    ZONA ESPECIAL DE INTERESSE SOCIAL (ZEIS)
    É uma parcela do território do município destinada, prioritariamente, à produção de habitações de interesse social.

    ZONA ESPECIAL DE PRESERVAÇÃO (ZEP)
    É uma parcela do território do município onde há interesse social na preservação, manuten-ção e recuperação do patrimônio histórico, paisagístico, cultural ou ambiental.

    ZONA FÓTICA
    Parte do corpo de água que é atravessada pela luz solar. Divide-se nas subzonas eufótica e disfótica.

    ZONA HADAL
    Região bentônica situada entre as profundidades de 6000m e 11000m.

    ZONA HADOPELÁGICA
    Divisão da região pelágica compreendida entre as profundidades de 6000m e 11000m.

    ZONA INDUSTRIAL
    É a parcela do território do município destinada, preferencialmente, à localização de indústrias.

    ZONA INFRAPELÁGICA
    Divisão da região pelágica compreendida entre as profundidades de 180m e 500m.

    ZONA INTERMARÉ
    Porção da planície de maré, pouco inclinada, e que se apresenta totalmente exposta na baixa-mar e quase inteiramente coberta na preamar.

    ZONA LITORÂNEA
    Área do fundo marinho compreendida entre a preamar e a baixamar, rica em oxigênio dissolvido, com movimentação da água e presença da luz solar.

    ZONA MESOPELÁGICA
    Divisão da região pelágica compreendida entre as profundidades de 100m e 180m, mostrando-se parcialmente iluminada.

    ZONA NÃO ADENSÁVEL
    É a região da cidade onde há carência de infraestrutura. Nessa zona é possível construir até o determinado pelo coeficiente único.

    ZONA VESICULAR OU AMIGDALÓIDE
    Porção das rochas efusivas que possui disseminadas em sua massa vesículas – vazias; ou amígdalas – preenchidas; provenientes do escape de gases durante o resfriamento. São comuns, geralmente, na porção de topo de derrames de lava.

    ZONAÇÃO
    Reação química contínua, que ocorre entre o mineral e o líqüido. Presente em minerais que são soluções sólidas contínuas, tais como os plagioclásios e as olivinas.

    ZONEAMENTO
    Divisão nacional de uma área urbana em setores reservados a certas atividades. Exs.: zona industrial, zona residencial, zona comercial.

    ZONEAMENTO AMBIENTAL
    integração sistemática e interdisciplinar da análise ambiental ao planejamento dos usos do solo, com o objetivo de definir a melhor gestão dos recursos ambientais identificados. O zoneamento ambiental foi declarado como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente (inciso II, artigo 9º, Lei nº 6.938, de 31.08.81). O zoneamento ambiental tem sido utilizado como parte dos planos diretores de manejo das áreas de proteção ambiental, criadas a partir de 1981.

    ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO (ZEE)
    Instrumento de racionalização da ocupação dos espaços e de redirecionamento das atividades econômicas. O ZEE serve como subsídio a estratégias e ações para a elaboração e execução de planos regionais de busca do desenvolvimento sustentável.

    ZOONOSE
    Infecção ou doença infecciosa transmissível, sob condições naturais, de homens a animais e vice-versa.

    ZOOPLÂNCTON
    Conjunto de animais suspensos – flutuadores; ou que nadam na coluna de água, em geral microscópicos, sendo incapazes de sobrepujar o transporte pelas correntes devido ao seu pequeno tamanho ou à pequena capacidade de locomoção.